03/02/21 17:10

Em reunião na Câmara, APCEF/RJ defende a importância da Caixa

WhatsApp Image 2021-02-03 at 15.57.48.jpeg

A Reunião Pública em defesa da Caixa, promovida pelo vereador Lindbergh Farias (PT), aconteceu na manhã desta quarta-feira (3), em um encontro virtual na Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro. Além de Lindbergh, estavam presentes o presidente da APCEF/RJ, Paulo Matileti; o presidente da Fenae, Sergio Takemoto; o vereador Reimont Luiz Otoni (PT); a vereadora Tainá de Paula (PT); a representante dos empregados no Conselho de Administração da Caixa, Rita Serrano; a coordenadora da Comissão Executiva dos Empregados da Caixa, Fabiana Uehara Proscholdt; o diretor do Sindicato dos Bancários RJ, José Ferreira e o presidente da Associação dos Gerentes da Caixa do RJ, Rogério Campanate.

O vereador Lindbergh Farias abriu o encontro virtual relembrando a importância das instituições públicas, com destaque para a Caixa. "Sem banco público não há projeto de desenvolvimento nacional", disse. A reunião teve como pano de fundo o contexto da grave crise econômica-social por todo o país, onde foi aproveitado para ressaltar a importância do papel da Caixa frente às dificuldades dos brasileiros nesse momento. Vale lembrar que o banco, que está presente em todos os municípios do Brasil, vem fazendo um trabalho fenomenal durante a pandemia em seu compromisso com a função social. Além disso, é importante ressaltar que os trabalhadores Caixa superaram grandes dificuldades para atender 120 milhões de brasileiros acuados pela crise sanitária através do Auxílio Emergencial. Apesar disso, as tentativas de privatização pelo governo e a presidência da Caixa continuam, o que foi muito criticado na reunião.

"Todos os feitos da Caixa durante a pandemia têm sido usados, ironicamente, como argumentos para privatizar o banco público. O banco digital, na verdade, é outra instituição financeira que será subsidiária da Caixa. Eles vão transferir as operações para essa subsidiária e privatizá-la, porque é mais fácil fazer isso do que privatizar a empresa mãe", afirmou Rita Serrano. Ela também ressaltou a importância dos empregados para a estrutura e manutenção da Caixa 100% pública. "Se chegamos em 2021 com a Caixa íntegra e pública, foi fruto da luta dos empregados, da sociedade e dos movimentos."

O presidente da APCEF/RJ, Paulo Matileti, ressaltou a importância da mobilização no cenário atual, com um desgoverno que ataca as instituições públicas. "Está sendo um momento muito difícil, e as coisas vão ficar cada vez mais difíceis. Por isso, temos que mobilizar os trabalhadores, mas também os parlamentares. Precisamos fazer uma frente, independentemente de partidos, para mostrar a importância da Caixa no cenário nacional para os brasileiros e o povo menos favorecido", afirmou. Matileti também ressaltou o movimento da APCEF/RJ, que vem se comunicando com prefeitos dos municípios do Rio em busca de uma maior mobilização política na defesa na Caixa 100% pública.

O presidente da Fenae, Sergio Takemoto, relembrou a trajetória da Caixa e falou sobre sua importância para a camada mais carente da população. "A história da Caixa sempre foi marcada pela defesa. Desde que foi criada em 1861, ela sempre esteve ligada à realização do sonho das pessoas mais pobres e humildes, sempre esteve ao lado da população mais carente desse país. Desde sua criação, a Caixa está ligada à realização de sonhos e continua cumprindo sua história. Não se pode esquecer que a Caixa é marcada como o banco da habitação, onde as pessoas realizam o sonho de comprar a casa própria."

A coordenadora da CEE/Caixa, Fabiana Uehara, parabenizou os vereadores presentes pela atuação em defesa do banco público e criticou as ações do governo federal. "Eu, enquanto coordenadora da Comissão Executiva dos Empregados, queria parabenizar o Lindbergh e o Reimont. Acho que a gente precisa muito de pessoas, não só no Executivo, mas principalmente no Legislativo, para defender os trabalhadores e a população. Enquanto não tivermos pessoas que pensam na sociedade e para a sociedade, vamos continuar perdendo direitos e tendo retrocessos".

José Ferreira, diretor do Sindicato dos Bancários do Rio, citou a criação do aplicativo Caixa Tem como exemplo da excelência da atuação dos empregados durante a pandemia. "A criação do aplicativo foi em tempo recorde e permitiu o pagamento do Auxílio Emergencial. Isso mostra o esforço dos trabalhadores da Caixa, e muitos deles ficaram além de sua jornada para atender essa demanda. Outro ponto são os nossos colegas que estiveram na linha de frente fazendo o pagamento do benefício. Muitos, inclusive, acabaram adoencendo diante da sua jornada de trabalho", pontuou. Ele também falou sobre a presença da Caixa no processo de pacificação das comunidades do Rio e na criação das UPPs, e deu como exemplo o atendimento feito para a população local no Cadastro Único e no fornecimento de microcrédito.

Por fim, Rogério Campanate, presidente da Associação dos Gerentes da Caixa do Rio, ressaltou a importância do trabalhador defender seus direitos. "Demonizaram a política de um jeito tal, que o trabalhador defender o seu direito ao emprego é visto com maus olhos por outro trabalhador. Porém, é ele também quem precisa lutar por melhores condições de trabalho e melhor distribuição de renda". Campanate também criticou o governo e falou da necessidade de defender a Caixa, que é uma empresa pública, assim como tudo o que ela representa para a sociedade e os empregados. "A gente entende que, como gestores da Caixa, temos o dever de defender esse patrimônio, que é uma empresa pública e braço de desenvolvimento do país. Precisamos defender a Caixa, inclusive, de governos irresponsáveis, que atuam em prol de interesses privados em detrimento do bem comum", disse.

Compartilhe