16/10/19 15:20

Movimentos representativos se unem em Brasília (DF) para pré-lançamento da campanha #ACaixaÉTodaSua

 

DEFESA-DA-CAIXA-CONTRA-PRIVATIZACAO-CAPA-MATERIA.jpg

Na última terça-feira (15), foi realizado o pré-lançamento da campanha #ACaixaÉTodaSua, conduzida pelo Comitê Nacional em Defesa da Caixa. O evento aconteceu na Matriz 3 da Caixa, localizada em Brasília (DF), onde reuniu empregados do banco, representantes de entidades em defesa da moradia, parlamentares e defensores das empresas públicas, para ato contra a venda de ativos da instituição nas áreas de cartões, seguros, gestão de ativos e loterias. O fim da gestão do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) pelo banco também está ameaçado.

No comando do presidente da Caixa, Pedro Guimarães, a diretoria do banco já deu andamento a venda de ativos da instituição para a iniciativa privada. Desde o 1º semestre deste ano, a atual gestão da Caixa vem adotando políticas privatistas no maior banco público da América Latina, como a abertura de capital da companhia na bolsa de valores pela primeira vez em seus 158 anos de existência.

O objetivo do pré-lançamento da campanha #ACaixaÉTodaSua foi de abrir espaço para o diálogo com empregados do banco e conscientizar a categoria sobre os prejuízos da privatização. Entre as entidades representativas dos trabalhadores, estiveram presentes no evento a Fenae, representada pelo presidente da Federação, Jair Ferreira, e o vice-presidente da Fenae e secretário de Finanças da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), Sérgio Takemoto, e o Movimento Popular por Moradia do Distrito Federal e Região (AMORA).

Além da venda dos ativos nas áreas de cartões, seguros, gestão de ativos e loterias, a gestão da Caixa no FGTS de milhões de trabalhadores brasileiros também corre risco de ameaça privatista. Na última segunda-feira (14), durante entrevista, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, fez a infeliz afirmativa de que R$ 7 bilhões do lucro anual da Caixa Econômica Federal são "roubados" do trabalhador por meio da taxa de administração do FGTS.

É notável que aos poucos vem crescendo o discurso falacioso sobre a atuação da Caixa 100% pública no desenvolvimento socioeconômico do país. Por essa razão, se torna absolutamente importante e necessário abraçar a causa da campanha #ACaixaÉTodaSua, não só por parte do quadro de pessoal do banco, como também por toda a população brasileira. Tendo esse entendimento, a APCEF/RJ declara seu total apoio a campanha! A Caixa é do povo!

DEFESA-DA-CAIXA - MATERIA-DENTRO.jpg

 

Compartilhe